sexta-feira, 24 de Outubro de 2014

Crismas: Bispo eleito de Beja em Santiago do Cacém


“Sede minhas testemunhas”
A paróquia de Santiago do Cacém, em Dia das Missões, celebrou o sacramento da Confirmação. Já é uma data consagrada e marca o desafio permanente da entrega à Missão, à vivência do sacramento e à construção de uma comunidade evangelizadora.


Presidiu à celebração o Bispo diocesano, D. António Vitalino. Facto inédito e primeiro, a presença do Bispo eleito, D. João Marcos. Foi uma paróquia (Unidade Pastoral) confiada aos Padres da Missão que, na diocese, deu as boas vindas e acolheu o Bispo eleito. Para além da novidade, a sua presença cativou as pessoas que viveram este dia. A proximidade, a simplicidade e a presença ajudaram a conhecer melhor aquele que nos foi dado como pastor, como bispo coadjutor. Concelebraram os padres Pedro e Agostinho, da comunidade vicentina de Santiago de Cacém e o P. Alberto Baptista, director do Notícias de Beja.
A igreja Matriz encheu-se de fiéis, sobretudo, dos familiares e amigos dos crismandos. Estes, num total de 24 pertencem às paróquias de Santiago do Cacém (7 adultos e 10 jovens), de S. Francisco da Serra (6 jovens) e de Abela (1 jovem). Os coros paroquiais animaram a Eucaristia e o Agrupamento 722, uma vez mais, teve presença activa e digna.

Na homilia, D. António exortou os crismandos e a todos para que sejam testemunhas de Jesus Cristo, sem medos, pois Ele é o único que salva. Pediu a todos que sejam dóceis ao Espírito Santo e que se deixem tocar pela sua força e modelar pelos seus dons para discernir a quem devemos seguir e servir. Com serenidade e seriedade, um a um dos crismandos, de túnica branca, receberam o Santo Cristo, o dom de Deus.
As comunidades cristãs ficaram mais ricas com o compromisso de pertença e de co-responsabilidade destes cristãos adultos! São bem-vindos, a comunidade conta com eles, Cristo precisa deles. No final, no salão paroquial aconteceu convívio, partilha, festa. Tudo bem preparado, com esmero e dedicação dos catequistas, dos crismados e das suas famílias. Um dia grande e em grande. Bendito seja Deus!

P. Agostinho Sousa, CM

quinta-feira, 23 de Outubro de 2014

2ª Jornada Missionária Diocesana



Família, Dom e Missão
Aljustrel, vila mineira, no passado sábado, véspera do Dia mundial da Missões, acolheu a 2ª Jornada Missionária diocesana. Para este encontro, todos os diocesanos, por muitos e variados meios, foram convocados para um dia diferente, para tempos de reflexão, de oração, de convívio, de celebração.
Acorreram algumas dezenas de pessoas. Talvez, um pouco mais de uma centena. Mesmo com um vasto programa, com espaços dignos, com uma preparação esmerada, soube a pouco e levantou questões pertinentes: A Missão interessa? A Família, diz-nos alguma coisa? Já sabemos tudo? A Diocese, o plano diocesano é para inglês ver? Faltou motivação, houve sobreposições ou “o meu quintal é mais importante que o campo imenso da Missão?”
Dado que o programa da manhã estava orientado para ser vivido pelas três faixas etárias (catequese, juventude e adultos), houve que fazer accionar o plano B, ou seja, entrelaçar as várias temáticas e juntar, numa mesma sala, todos os participantes. Deste modo, quase se encheu o auditório da Biblioteca Municipal de Aljustrel.



Continuar a ler - AQUI - 

A Missão começou agora!





Missão Popular pela ação do Espírito Santo abriu e transformou os corações

A Paróquia de Ponte de Sor viveu a Missão Popular durante duas semanas.
Teve o seu início no dia 27 de Setembro com uma missa vespertina, onde todos os Animadores e donos das casas foram enviados.

Ao longo de três dias, as pessoas reuniram-se em Comunidades familiares, ao estilo da igreja primitiva, onde se trocaram ideias sobre o que é a religião, Jesus é o Redentor e todos os que crêem em Jesus formam uma grande família. Mais de seiscentas pessoas, à tarde ou à noite, acorreram aos encontros e formaram 46 Comunidades.
No dia 3 de outubro, foi o encontro de todas as Comunidades na Igreja Matriz, levando cada uma o seu cartaz e apresentando publicamente o testemunho dos três dias de encontros.

E como foi bonita esta partilha! Cada comunidade entregou bens alimentares, tendo-se conseguido mais de 600kg de alimentos que foram entregues diretamente a 48 famílias indicadas pelas próprias comunidades.

Entusiasmo e alegria
No dia 4 de outubro, realizou-se a procissão em honra de São Francisco de Assis, padroeiro da paróquia, terminando com uma encenação alusiva ao santo padroeiro e foram entoados cânticos pelo Coro Polifónico de Ponte de Sor, que amavelmente nos brindou com a sua presença. De salientar neste dia, a participação dos Bombeiros Voluntários e da Fanfarra que deu mais solenidade ao momento.
A imagem de São Francisco de Assis visitou lugares fora de Ponte de Sor, mas que fazem parte desta paróquia. O santo de Assis esteve em Pinhal, Domingão, Foros do Domingão, Vale da Bica, Tramaga, Cansado, Pedrógão, Ervideira, Torre das Vargens, Vale de Bispo, Barreiras, Fazenda, Barroqueira, Pinheiro e Arneiro.
Todas as pessoas mostraram entusiasmo e alegria, enfeitando casas e levantando altares à passagem do santo padroeiro. Houve visitas a lares e outras instituições, escola, casas de famílias com doentes e durante a 2ª semana, todos os dias às 21h se celebraram eucaristias temáticas.

A catequese e a Missão Popular
A Missão Popular também se sentiu na catequese, com atividades próprias. No dia 4 de outubro, dia de São Francisco de Assis, pelas 10h30, foi exibido o filme “Cavaleiro de Assis” alusivo à vida daquele santo. Houve pipocas e de seguida os catequizandos desenharam o que mais gostaram de ver no filme. Por fim, responderam a um “quiz” sobre o mesmo tema.


No dia 5 pelas 12h00, a Missa foi animada pelos catequizandos e catequistas. Os cinco continentes e as suas respetivas cores deram um belo colorido à Igreja: bandeiras, fitas, flores e até uma pequenina dança executada pelos catequizandos. A Paz e a fraternidade entre todos os povos foram os valores exaltados na eucaristia da catequese, dentro do espírito da Missão.

Missão Popular superou as expetativas
O encerramento fez-se com a Eucaristia no dia 12 de outubro e por fim houve um almoço partilhado. A Missão Popular enriqueceu mais os cristãos desta paróquia, superou as expetativas, são agora mais família. Reforçaram-se laços de amizade, houve um diálogo cristão e viveu-se o verdadeiro sentido de Igreja.



A paróquia é a comunidade cristã e à semelhança dos primeiros cristãos, a união com Cristo faz-se partilhando a oração, o amor, a alegria e os bens materiais. A Missão popular pela ação do Espírito Santo, transformou, abriu mais os corações de todos os que estavam fechados no seu “templo” e aproximou todos e cada um. Ser cristão não é estar só, mas sim viver com Cristo e com os irmãos. A Missão não acabou, começou agora.

Ecos do Sor, 14Out2014
Assunção Caria, directora adjunta

segunda-feira, 13 de Outubro de 2014

2ª Jornada Missionária Diocesana

Estamos em pleno mês de Outubro, mês missionário, por excelência. O Santo Padre, no dia de Pentecostes, ofereceu a todos os homens e mulheres de boa vontade a sua Mensagem para o Dia Mundial das Missões que se celebra todos os anos no 3º Domingo de Outubro. Este ano acontece no dia 19, dia em que termina o Sínodo Extraordinário dos Bispos, em Roma, cujo tema é a Família e a Nova Evangelização, bem como a data da beatificação do Papa Paulo VI, que incrementou a concretização do Concílio Vaticano II e produziu um documento muito importante sobre a Evangelização: Evangelii Nuntiandi.
Para este Mês de Outubro, as Obras Missionárias Pontifícias, através dos Secretariados diocesanos das Missões, espalharam bastante material para divulgação e conhecimento, mas também para apoio na oração: terço, vigílias, via-sacra, reflexões. A Conferência Episcopal propõe que o ofertório de todas as Missas e Celebrações da Palavra se destine às Missões. Também, em algumas zonas ou paróquias se faz o peditório de rua, o qual está autorizado pelas entidades competentes. Para um e para o outro, apela-se à generosidade das pessoas. Muitos projectos para as Igrejas que sofrem as agruras da perseguição ou estão a dar os primeiros no caminho para Jesus aguardam a nossa oferta generosa.


Continuar a ler - AQUI -

sexta-feira, 10 de Outubro de 2014

Saudação ao Bispo Coadjutor 10.10.2014

É com grande júbilo que anuncio aos diocesanos de Beja que o Santo Padre acaba de me dar um Bispo Coadjutor e à diocese o seu futuro bispo diocesano. Como Nossa Senhora também eu exclamo: Magnificat, a minha alma louva o Senhor e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador.
Entre os diversos nomes indicados ao Santo Padre, o Papa Francisco, a sua escolha caiu sobre o Cónego José João dos Santos Marcos, conhecido como Padre João Marcos, presbítero do Patriarcado de Lisboa, atualmente membro do Cabido da Sé Patriarcal e Diretor Espiritual dos Seminários dos Olivais e doRedemptoris Mater de Lisboa.



Continuar a ler - AQUI - 

quinta-feira, 2 de Outubro de 2014

Evangelização e Caridade


A Família Vicentina, uma vez mais, rumou a Fátima. No dia 28 de Setembro, domingo, de norte a sul e da ilha da Madeira, membros da Congregação da Missão, da Sociedade de S. Vicente de Paulo, da Juventude Mariana Vicentina, dos Colaboradores da Missão, das Filhas da Caridade, das Filhas de Maria, da Associação Internacional da Caridade e da Associação dos ex-Alunos dos Seminários vicentinos, celebraram o seu X Encontro de Família. A alegria do encontro e as saudações efusivas eram testemunho da amizade e da pertença a esta família alargada. Como é bom e agradável viver em harmonia e em comunhão de sentimentos.

Vicente de Paulo, celebrado na véspera, fundou alguns deles e a muitos inspira na vivência da Caridade e da Missão. Muitas centenas de pessoas se congregaram no Centro Pastoral Paulo VI e começaram o dia com uma oração de louvor. O P. Fernando Soares, apresentador de serviço, fez a ponte entre o palco e a Assembleia. Depois de composta a mesa de presidência com os responsáveis dos vários Ramos da Família Vicentina, usou da palavra o professor doutor João César das Neves que apresentou o tema desta jornada: “Evangelização e Caridade”. Numa linguagem simples e incisiva e com base na Exortação Apostólica “Alegria do Evangelho”, partilhou a sua experiência de economista e brindou a Assembleia com uma reflexão muito concreta e muito real. As questões e o diálogo que se seguiram, ajudaram a completar as ideias e propostas apresentadas e abriram caminhos para a vivência da Nova Evangelização, com maior ardor e empenho e para uma caridade mais diligente com respostas mais criativas.
 
Eucaristia e Oração Mariana
No final da manhã, na Basílica da Santíssima Trindade, e presidida pelo D. Augusto César, bispo vicentino, foi celebrada a Eucaristia do 26º Domingo Comum. Os símbolos dos vários Ramos da Família Vicentina, incorporaram-se na procissão de entrada e a celebração foi abrilhantada pelo coro da Zona de Felgueiras.
Após o tempo livre para o almoço, a JMV fez a animação da oração mariana. Música, meditação, silêncio e oração, foram os cenários escolhidos para os dez passos apresentados. Tudo muito simples e muito rico. A assembleia mostrou-se agradada e agradecida por este momento cheio, tranquilo e interpelante que encheu os corações.  

Livro da Família
Neste dia foi lançado e apresentado o livro “Os Ramos Família Vicentina”. A capa com o rosto do Santo da Caridade apresenta as 5 virtudes que devem pautar a vida de quem escolhe viver o estilo e o carisma de Vicente de Paulo: simplicidade, humildade, mansidão, mortificação e zelo apostólico.
O miolo deste instrumento para o conhecimento e enriquecimento mútuo tem a apresentação do coordenador, P. Manuel Nóbrega, e apresenta a identidade, carisma e missão de cada um dos vários ramos desta Família, que vive e trabalha neste cantinho, à beira-mar plantado. Este conhecimento, abre-nos aos outros que bebem na mesma fonte e desafiam-nos a fortalecer laços, construir pontes, trabalhar em rede.

No final, fez-se o envio para a Missão. Rezou-se a oração que o papa Francisco compôs para Maria, a Senhora da Evangelização e que vem expressa no final da “Evangelii Gaudium”.
Todos regressaram para os seus locais de origem ou de trabalho. Levaram a convicção de que o exemplo e missão de Vicente de Paulo são actuais para os dias de hoje. Tornar efectiva a caridade é um desafio permanente e levar o amor de Cristo a todas as criaturas é urgente, exige testemunho, coerência de vida e disponibilidade interior. “Evangelização e Caridade”, as duas faces de um mesmo mandato: o amor é inventivo até ao infinito e enviou-me a evangelizar os pobres.


P. Agostinho, CM

sábado, 27 de Setembro de 2014

Caridade e Missão (*)

27 de Setembro - S. Vicente de Paulo

“Que aquele que ama a Deus ame também ao seu irmão” (1Jo. 4, 21). Com estas palavras do Apóstolo João, desejo unir-me, pelo pensamento e pela oração, a toda a Família Vicentina, em acção de graças, pelo dom de S. Vicente de Paulo. Estas palavras do apóstolo foram ilustradas, de maneira luminosa, pela existência dos vossos Fundadores (Vicente de Paulo e Luísa de Marillac).
E foi assim, porque eles acreditaram no amor, e por isso, colocaram-se ao serviço de seus irmãos e irmãs. Que esta mesma fé seja luz e força no serviço dos mais abandonados e dos mais simples da nossa sociedade, geralmente desprezados em sua situação.
Procurando viver sob o signo da “Caridade e Missão”, quereis com toda a justeza assinalar aquilo que está no coração da herança que recebestes. Como deixei escrito na minha primeira encíclica, as figuras como Vicente de Paulo e Luísa de Marillac “continuam a ser modelos insignes de caridade social para todos os homens de boa vontade. Os santos são verdadeiros portadores de Deus na história, porque são homens e mulheres de fé, esperança e amor” (Deus caritas est, 40).

Por isso, eu vos exorto a que sejais audazes, no meio dos homens e mulheres do nosso tempo, para que os vossos compromissos em favor da pessoa humana sejam de facto manifestações do amor de Deus e não simples expressão de humanismo ou de filantropia.
A intuição de Vicente de Paulo em encontrar colaboradores nos sacerdotes, nas pessoas consagradas e nos leigos é um bem precioso que a Família Vicentina se compromete, a título justo, a desenvolver, para um melhor desempenho da missão da Igreja.
Desta maneira, vós sereis sempre muito eficazes, para que o Evangelho seja anunciado a todos e para que todo o homem possa reencontrar a sua dignidade de filho de Deus, no âmbito dum mundo unido e solidário. Que Deus vos ajude a permanecer sempre fiéis à herança que recebestes e a vivê-la com fé e generosidade!
Confio-vos à intercessão de S. Vicente de Paulo, de Santa Luísa de Marillac e de todos os santos e bem-aventurados de toda a Família Vicentina. Envio-vos, com todo o coração, uma afectuosa bênção apostólica.
Vaticano, 14 de Junho de 2010
(Bento XVI, papa)





(*) – Texto enviado pelo Papa-emérito, Bento XVI, ao Superior Geral da Congregação da Missão, por ocasião dos 350 anos da morte de S. Vicente de Paulo e de Sta Luís de Marillac)